Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.esg.br/handle/123456789/1270
metadata.dc.type: Monografia
Title: Um estudo sobre as dificuldades do Brasil de desenvolver um satélite nacional de sensoriamento remoto
Authors: Oliveira, Ivan Carlos Soares de
Advisors: Araújo, Carlos Alberto Gonçalves de
Course: Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE)
Keywords: Programa Espacial Brasileiro;Sensoriamento remoto;Ciência e tecnologia;Política Nacional de Defesa (PND)
Issue Date: 2015
Publisher: Escola Superior de Guerra (Campus Rio de Janeiro)
Abstract: In the early 1960s, the space programs of Brazil, China and India were at the same stage of technological development. After more than 50 years, it appears that the space technology gap between Brazil and, for example, the other BRICS member countries, Russia, India, China and South Africa, is wide and increases each year. With the 2012 publication of the National Defense Strategy (END), the National Defense Policy (PND), the White Paper of National Defense, the National Strategy for Science, Technology and Innovation and the National Program Space Activities (PNAE) for the period 2012 to 2021, this work proposes to study Brazil’s difficulties in developing a national remote sensing satellite. The objectives of the Brazilian Space Program (PEB) and of the Brazilian Complete Space Mission (MECB) were studied. Similarly, the missions of the Brazilian Space Agency (AEB) and the National Institute for Space Research (INPE) were studied, as well as some public policies that cover the subject. Also, the main sensor systems and existing projects in the country are presented, as well as the possible applications of images from this remote sensing. Finally, this paper presents an assessment and analysis of spatial policy implemented in Brazil since the creation of the MECB, in 1979. The research shows us how the space policy has managed to remain true to its initial basic ideas,, despite political and economic events, but without the expected scientific and technological development in the space sector.
Description: No início da década de 1960, os programas espaciais de Brasil, China e Índia encontravam-se no mesmo estágio de desenvolvimento tecnológico. Passados mais de 50 anos, verifica-se que a defasagem da tecnologia espacial existente entre o Brasil e, por exemplo, os demais países integrantes do BRICS, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, é acentuada e aumenta a cada ano. Tendo em vista o lançamento em 2012, pelo governo federal, da Estratégia Nacional de Defesa (END), da Política Nacional de Defesa (PND), do Livro Branco da Defesa Nacional, da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação e do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE) para o período de 2012 a 2021, este trabalho se propôs a estudar as dificuldades do Brasil em desenvolver um satélite nacional de sensoriamento remoto. Foram analisados os objetivos do Programa Espacial Brasileiro (PEB), da Missão Espacial Completa Brasileira (MECB), as missões da Agência Espacial Brasileira (AEB), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), bem como algumas políticas públicas que abrangem o tema. Também foram apresentados os principais sistemas sensores existentes e em projeto no País, além de possíveis aplicações das imagens provenientes deste sensoriamento remoto. Por fim, apresenta uma avaliação e uma análise da política espacial implementada no Brasil, desde a criação da MECB, em 1979. A pesquisa mostra como a política espacial conseguiu se manter fiel às suas ideias básicas iniciais, a despeito dos acontecimentos políticos e econômicos, porém, sem o esperado desenvolvimento científico e tecnológico no setor espacial.
URI: https://repositorio.esg.br/handle/123456789/1270
Appears in Collections:Coleção de Monografias (Engenharia e Informática)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ivan Carlos Soares de Oliveira.pdf1.37 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.